<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\07512023629\46blogName\75Pharm%C3%A1cia+de+Servi%C3%A7o\46publishMode\75PUBLISH_MODE_BLOGSPOT\46navbarType\75TAN\46layoutType\75CLASSIC\46searchRoot\75//pharmaciadeservico.blogspot.com/search\46blogLocale\75pt_PT\46v\0752\46homepageUrl\75http://pharmaciadeservico.blogspot.com/\46vt\75-1502498260276022440', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

Pharmácia de Serviço

Há remédio para tudo ... pharmaciadeservico_at_gmail.com

O povo é quem mais ordena…(4)

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Por que hão-de países cujos cidadãos vivem pior que os gregos, pagam mais impostos que os gregos e se reformam mais tarde que os gregos, ser “solidários” com os gregos que votam num governo que para cúmulo namora descaradamente com uma Rússia que é uma ameaça directa para segurança de alguns desses países?

… o Syriza ganhou na Grécia. E é preciso que isso fique claro: ganhou na Grécia. E tem um mandato para governar a Grécia. Não o dinheiro dos contribuintes europeus e a UE.

… convém que se esclareça que os votos nos radicais não valem mais que os outros.

O povo é quem mais ordena…(3)


O referendo à divida grega (não é bem à divida, mas, no fim, vai "bater" aí…) até parece, mais ou menos, uma ("coisa" parecida com a) "tomada da bastilha"

O povo é quem mais ordena…(2)


A partir de agora a solidariedade passa a ser exigível e a sua exigência passa a ser referendável…

O povo é quem mais ordena…


Tendo em conta os resultados do referendo grego devem agora ser promovidos referendos nos demais países do euro para saber se o "povo" de cada um deles (sim, se como diz a canção, "o povo é quem mais ordena"…) se encontra disposto a suportar financeiramente o que os políticos gregos pretendem impor…
É que ou bem que todos os povos ordenam ou então nenhum povo ordena… 

Isto já é…

domingo, 5 de julho de 2015

… parvoíce a mais…!!!

António Costa considera que a situação na Grécia é a "dramática ilustração" do que aconteceria em Portugal sem o PS

Porque é óbvio…


Nai…!!!

Não é surpresa…

sábado, 4 de julho de 2015

…é a normalidade…

PS desorientado

Que pensar…???

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Tsipras: 'O objectivo do 'não' é alcançar um melhor acordo'

Varoufakis prevê solução rápida após referendo

Ou estes dois são, na verdade, não dois governantes de uma nação europeia, mas sim uma parelha de chanfrados, completamente dementes, ou então é o mundo que está totalmente virado do avesso mas ainda não nos adaptámos…

A ler, sem falta…

quarta-feira, 1 de julho de 2015

… por todos esses especimens que acham que socialismo e esquerda é que é bom (porque acham que com o socialismo o que é deles é deles e o que é dos outros, principalmente o dinheiro, é deles também…), porque se trata de um artigo muito claro e elucidativo e pode ser que sirva para lhes abrir um pouco a cachimónia
Quanto aos demais, não fará mal que o leiam para além de ser um bom lenitivo…

O que os gregos poderão ajudar-nos a descobrir é que a Europa, como o socialismo, também acaba quando acaba o dinheiro dos outros.

Grécia: a Europa é o dinheiro dos outros, de Rui Ramos, no Observador

O tipo é (completamente) demente…


Agora Tsipras diz que "credores passaram de chantagear o governo para chantagear os cidadãos gregos".

É uma legítima opção …


Uma maioria de 46% dos gregos é a favor do “não” no referendo de domingo

Está muito bem. Mas então, assim sendo… vão ter que se "governar" sozinhos…

Isto só pode ser coisa…

terça-feira, 30 de junho de 2015

…de "sem-vergonhas"

Vice-primeiro-ministro grego sugere que referendo ainda pode ser cancelado

Primeiro a chantagem do referendo anunciado inopinadamente, só para forçar a posição…

Agora, na eminência da posição do syriza, do tsipras e do varoufakis "levar uma abada" no referendo, já põem a hipótese dele não se realizar, para "não ficarem mal na fotografia" e para "adoçar a boca" à europa só na "mira" de terem mais dinheiro…

Parece que carácter é coisa que também não abunda por lá… 

Eh pá, não sejam chatos…!!!


A ministra da Administração Interna recebeu uma carta no início de Fevereiro, alertando-a para a possibilidade de os helicópteros pesados Kamov não estarem a operar na época de incêndios florestais

Mas querem o quê…???
Querem que a senhora ministra perceba de helicópteros Kamov's ou que os vá reparar, é…???!!!
Por favor…

Resumindo… em música…


Porta-voz diz que Grécia quer "money for nothing and chicks for free"


Oooooooohhhhh…!!!


Augusto Santos Silva afastado da TVI24 

Francamente…!!! Isto não se faz…!!!
Então um tipo (que noutros tempos, já idos, tinha dito que adorava malhar na direita) que agora diz que "A TVI já estará farta de comentadores inscritos em partidos políticos e, como já lá tem fartura que chegue de inscritos no PSD, não precisa de um inscrito no PS", merece lá ser afastado da antena onde faz cometário político…???!!!
Claro que não…!!! Deve ser é mantido e o cachet aumentado…!!!

Votações…


Os votos de Rajoy: o melhor é o Syriza cair

Vamos lá ver…


… se a Europa não se verga miseravelmente à oportunística chantagem dos gregos… Seria a absoluta vergonha e o seu total descrédito…

Gregos pedem novo resgate por mais dois anos, mas sem envolver FMI

E a primeira questão é, desde logo, manter o FMI nas negociações e no futuro acordo. De outro modo a Europa ficará completamente exposta a uma desmedida pressão da chicana grega e da 5ª coluna de vendilhões do templo, que, na Europa, os há aos montes…

Isto é que não é preciso…


Juncker faz proposta de última hora a Tsipras que inclui campanha pelo "sim"

Lá começa a Europa a "acocorar-se"

Hoje é só "egos" desmesurados…


"Vou ganhar de uma maneira ou de outra", diz Sampaio da Nóvoa

Isto assim, sem mais nada, até pode fazer mal…

Um ego tem a medida que esse ego quiser…


"A minha prisão visa tão-só impedir o PS de ganhar as próximas eleições legislativas"

Ora aí está… um ego desmesurado

"Silly season" em força, só pode…


António Costa pronunciou-se também já sobre o referendo na Grécia. O secretário-geral do PS, apelou ao fim do confronto entre Governo grego e parceiros europeus e ao respeito pelo referendo de domingo, defendendo que, independentemente do resultado, deve ficar salvaguardada a integridade da zona euro

Então e se os gregos quiserem sair do euro, porque entendem que será o melhor para eles, como é, oh costa…???!!! Obrigamo-los a ficar no Euro…??? Não os deixamos sair…???
Então, nesse caso, o que vai ser do respeito pela "sacrossanta" soberania grega…???

Estas coisas do costa só podem ser mesmo do "cucumber time"

Ora aqui está…

segunda-feira, 29 de junho de 2015

… uma pergunta simples, directa, clara, acessível e auto-explicável, para fazer constar de um qualquer referendo, em qualquer parte do mundo:
"Deverá ser aceite o projeto de acordo que foi apresentado pela Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional no Eurogrupo de 25.06.2015 e que consiste em duas partes, que constituem a sua proposta unificada? O primeiro documento intitula-se ‘Reformas para a Conclusão do Presente Programa e Mais Além’ e o segundo ‘Análise Preliminar à Sustentabilidade da Dívida’.”

Como se pode imaginar pela simplicidade e objectividade da pergunta, os reformados e a esmagadora maioria dos gregos já se devem "ter deitado" a ler os referidos documentos, para estudarem e reflectirem com profundidade de modo a poderem formar uma posição sustentada a expressar no referendo e que tenha em conta todas as implicação quanto à futura posição da grécia no euro e na europa, e fundamentalmente, do próprio futuro dos gregos e da subsistência da grécia…

O governo grego, um governo de esquerdistas agitadores, está bem ciente das tácticas de "terrorismo politico", de como, "maoisticamente", se deve "recuar dois passos para avançar três", e sabe muito bem como as pôr em prática. O que o governo grego procura é quebrar ou pôr em causa todos os referenciais europeus, à luz dos quais a europa vive e que são invocados nas negociações para, quebrados estes, fazer vingar a sua lógica de livre imposição.

Perante isto e por uma razão de "prevenção geral", é de todo aconselhável que a europa ponha os gregos a "pão e laranjas", para que conste que a europa não funciona com expermentalismos esquerdistas e muito menos com  chantagens e imposições típicas das tácticas "terroristas" da esquerda…

"Agendas"…


Dá ideia – mas é só mesmo uma "ideia", nada mais do que isso… – que o tribunal de contas também tem "agenda"

Já é notório…!!!


Estamos em plena "silly season"

Só isso é que pode explicar estas "chochices": O PS acusou esta segunda-feira o Governo de práticas de “clientelismo” nas nomeações para altos cargos públicos, atingindo mesmo áreas de soberania, e de lesar o Estado nas privatizações da EDP e REN

Têm boa solução…!!!


No meio da confusão que é a "história" da dívida grega, só faltava agora virem os EUA apelar para debate sobre redução da dívida grega

Ora, ora…!!! Se os Estados Unidos fossem mesmo uns "valentões" como acham que são, em vez de estarem a apelar a terceiros, como sejam a Alemanha e a França, para começarem a discutir com urgência uma proposta para o alívio da dívida grega e já que mostram tanto interesse no caso, pagavam eles a dívida da grécia e não se falava mais no caso…

Sim, que isto de "todo o mundo" andar a "tirar chapeladas com o chapéu dos outros" é uma péssima mania que tem mesmo que acabar…

A Grécia e as "velhas" RGA's…


A forma como o governo grego tem conduzido as negociação com a troika não pode deixar de trazer à memória uma das mais típicas actuações da esquerda naquele loucura demencial que foram os idos de 75. Eram as RGA’s, as famosas reuniões gerais de alunos nas quais se entretinham os estudantes durante grande parte do tempo escolar.

Quem se lembrar disso, há-de recordar-se que eram umas reuniões completamente chanfradas, convocadas pelos mais estapafúrdios motivos, onde se falava longamente das mais absurdas imbecilidades, e nas quais, por fim se realizavam votações, por vezes decidindo sobre assuntos graves, com a maior ligeireza, mas garantindo-se sempre – “a mesa” encarregava-se disso – que a votação fosse sempre favorável aos proponentes ou seja aos esquerdistas que “comandavam” aquilo.

E a táctica era sempre a mesma. A reunião começava para aí às 3 da tarde. A “mesa” iniciava os trabalhos e as primeiras horas eram gastas a discutir os requerimentos mais tolos,as propostas à mesa mais cretinas que se possa imaginar. Quem lá tinha ido a pensar que se iam discutir seriamente e votar coisas sérias começava a duvidar. Mas ia aguentando, porque algumas vezes estava em causa os interesses estudantis dos que eram “mesmo” estudantes, já que muitos era só agitadores e de estudantes apenas tinham a designação.

A hora de jantar aproximava-se e nada. Continuavam as discussões e votações estéreis, mas nada se dizia sobre os assuntos verdadeiramente importantes. Com a hora de jantar começava a debandada daqueles que achavam que na vida há prioridades e rotinas, e uma dessas rotinas é alimentar e por isso prioritária, pelo que só pode ser derrogada por motivo ponderoso. Era então que se começava a discutir – quando se discutia e não apenas se gritava – os assuntos importantes, discussão essa que se prolongava tanto mais quanto permanecessem ainda na assembleia elementos que pudessem fazer perigar a vitória na votação dos esquerdistas. Por isso as coisas arrastavam-se o necessário, com intervenções e incidentes estúpidos, até que “a mesa” considerasse o terreno “limpo” ou seja, quando às tantas da matina, verificasse que já tinham ido para casa todos aqueles que estudavam e que não se podiam dar ao luxo de fazer “directas”. Então vá de votar tudo o que lhes passava pela tola – e então eram tudo votações convenientemente vitoriosas e, as mais das vezes, por unanimidade…

Ora esta técnica de desgaste foi a quilo que os esquerdistas da Grécia tentaram importar para as negociações com a troika. Aquela coisa de forçarem reuniões à noite, de retardarem até ao limite a entrega de novas propostas que se revelavam não serem nem novas nem propostas, a ideia de insistirem naquilo que já lhes tinha sido claramente dito não ser aceitável, como se fossem surdos, o dizer para fora coisa diferente do ocorrido lá dentro, tudo isso tinha como único objectivo, não chegar a um acordo, mas apenas fazer a troika “vergar” de exaustão, fazê-la desistir das suas propostas pelo cansaço, conseguir a aceitação acrítica das exigências gregas por via de insuportável insistência. Porém os homens da Europa, decerto chamando a terreiro a sua experiência de estudantes, “puseram-se ao alto” e mantiveram-se atentos e vigilantes a todo o momento, nem que fosse noite dentro. E com razão. Se a Europa tivesse cedido neste momento nunca mais poderia afirmar a sua autoridade e transformar-se-ia numa perpétua refém de um grupo de chanfrados do governo grego, sujeita a intermináveis exigência e novas extorsões.

Por isso a posição da Europa faz lembrar que nesses anos malucos da “revolução de Abril” houve estudantes que percebendo como a esquerda actuava começou a reagir em conformidade: ninguém arredava pé, mantendo-se até ao fim da RGA’s, nem que para isso alguém tivesse que ir buscar umas sandwiches e umas águas ou cervejas ao café mais próximo, dormisse (se conseguisse) uma “soneca” por conta de uma normal noite de sono, ou tivesse que ir buscar uns tantos que já estavam em casa para que os “esquerdos” não ganhassem a votação e continuassem a transformar a vida académica, que julgavam uma “coutada” deles, num “inferno” para todos os demais.

E foi assim que, por cá, as coisas se foram “endireitando”
Decerto que, assim, também na Grécia as coisas se irão igualmente “endireitar”